AMY WINEHOUSE E O LEGADO PIN UP


Amy Winehouse reinventou o sentido da palavra retro, ao assumir que se podia recuar na história, combinando referências contemporâneas. A menina nascida a 14 de Setembro de 1983 e falecida a 23 de Julho de 2011, criou uma fórmula explosiva ao vestir a sua voz com linhas de Jazz, Soul, R&B e Raggae (Dance Hall), estilos musicais que se cruzaram no tempo, em finais de anos 50. Para completar a moldura dos anos de ouro, cantava a sua mal-falada sina com referências claras ao universo Rockabilly das pin-ups.

Pode, toda uma década de história da música ter cabido numa alma de 1.59 metros?

A resposta começou a ser desenhada no primeiro projecto de Amy, Sweet and Sour, uma banda que fundou com a sua melhor amiga aos 13 anos. A rapariga acre de corpo coberto por tatuagens, piercings e o cabelo armado ao estilo das miúdas retratadas pelo universo de Rebel without a Cause conseguia hipnotizar toda uma plateia, com a sua encorpada voz negra, quase ombreando com figuras maiores da Mowtown, como Ella Fitzegerald ou as Supremes.

Amy afirmou-se rapidamente como uma estrela maior de pleno direito, não só pelo seu extraordinário talento vocal mas também pela forma como, combinando todos os símbolos das várias tribos que coincidiram numa década da história dos Estados Unidos da América, reinventou a forma de se estar em voga. A viagem transatlântica entre a América beatnick e a letrada mulher da Bourgonne nunca fora realizada de forma tão rápida até serem ouvidos os primeiros acordes de Back to Black.

Daí em frente, a ascensão meteórica de Amy Winehouse encontrou um voraz apetite da comunicação social e do público em geral. Incapaz de lidar com os dilemas próprios de uma personalidade borderline, a cantora rapidamente sucumbiu ao consumo de álcool e cocaína, a exemplo dos heroinómanos Jazzmen do seu universo de referências.

O legado de Amy, num mundo em constante aceleração, capaz da maior crueldade para com os predestinados, será talvez, o jeito maroto e ingénuo de quem olha através das longas pestanas e atira, com uma inimitável voz rouca:

- You know I’m no good!

#AmyWinehouse

Obrigada  pelo  interesse  no  nosso  artigo!

Deixa um comentário com a tua opinião e/ou sugestão para futuros artigos

©TRADI Todos os direitos reservados.Desenho e implementação do site:TRADI

geral.tradi@gmail.com | 965718441 | Braga, Portugal

  • Facebook tradi
  • Pinterest tradi
  • Instagram tradi